Em projeto piloto, Escotismo vira atividade do contraturno escolar em Santos

25 de junho de 2018

O Escotismo ganhou um novo e importante incentivo na cidade de Santos. É o projeto Aluno Sempre Alerta, que apresenta o Movimento Escoteiro gratuitamente para estudantes da rede de ensino municipal no contraturno escolar.  A faixa etária atingida é compatível aos Ramos Lobinho (6,5 a 10 anos) e Escoteiro (11 a 14 anos). Familiares interessados em inscrever seus filhos procuram a diretoria da unidade de ensino, que por sua vez os encaminha por meio da Secretaria de Educação de Santos (Seduc).

Para que fosse viabilizado, o programa começou a ser discutido em 2014 e ganhou força no ano seguinte, quando sancionado como a Lei n° 3.163 de 14 de julho de 2015. O autor foi o então vereador Sandoval Soares – atualmente vice-prefeito da cidade que continua em contato com o Movimento, tendo participado das comemorações do Dia Mundial do Escoteiro, em abril, na Arena de Santos.  O dirigente escoteiro Wagner de Abreu Pimenta, do Grupo Escoteiro Morvan Dias Figueiredo 55/SP, atuou na ideia Aluno Sempre Alerta desde o início e hoje faz parte da coordenação como representante do lado do Escotismo. Ele conta que após a aprovação da lei, foi mais fácil obter apoio da Prefeitura e da Seduc.

“Conseguimos uma professora da rede municipal (concursada e indicado por nós, que inclusive tem formação escoteira) para atender como coordenadora”, explica Wagner. A professora Márcia, também escotista, trabalha no projeto de forma remunerada. Foi a forma encontrada de garantir o desenvolvimento das atividades sem depender somente do voluntariado. Além disso, por meio do programa é possível conseguir materiais para as atividades com o poder público municipal.

O Aluno Sempre Alerta está em fase piloto, com reuniões às quartas-feiras, das 14h às 17h. “O projeto tem duração junto ao calendário escolar. Inicia e termina com o período letivo”, diz Wagner. Por enquanto, a intenção é completar uma turma correspondente a uma alcateia com pelo menos quatro adultos. Para formar uma seção do Ramo Escoteiro, estão em busca de um adulto que tenha vínculo com o funcionalismo público e também experiência com o Escotismo. “Não aceitamos indicação de professores do município, justamente para evitar que vire um modelo de recreação e não siga o Programa e o Método Escoteiro”, aponta Wagner.

Em 2017, 14 crianças participaram e, em 2018, são 16 realizando as atividades. Nenhuma delas era escoteira antes. Segundo Wagner, este é o objetivo principal do programa: “Apresentar o Escotismo para as crianças e despertar o interesse de procurar um grupo, pois como os alunos não são escoteiros, eles recebem um lenço, mas atuam com a roupa do ensino municipal”.

A partir do momento em que os jovens migrarem para as unidades escoteiras do 13º Distrito Escoteiro Costa da Mata Atlântica (que acompanha as ações de perto) serão abertas novas vagas para outros estudantes. Assim, o projeto Aluno Sempre Alerta beneficia o Escotismo em duas frentes: apresenta o Movimento para mais crianças em parceria com o poder público e, ao mesmo tempo, fortalece os grupos escoteiros da cidade.

 

Compartilhe
Escoteiros do Brasil - Educação e lazer para crianças e jovens