Escotistas e dirigentes se capacitam para utilizar o Centro Escoteiro de Ciência e Tecnologia

15 de janeiro de 2018

Voluntários escotistas e dirigentes participaram em 2017 de duas capacitações para realização de atividades escoteiras no Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade de São Paulo (CienTec – USP). A primeira edição, em junho, teve 14 participantes, e a segunda, em novembro, teve seis.

Com duração de dois dias, todas foram ministradas por Júlio César Klafke, prefeito do Centro Escoteiro de Ciência e Tecnologia e dirigente voluntário dos Escoteiros do Brasil – Região de São Paulo. Elas acontecem em formato de oficina presencial e vivencial. De acordo com o prefeito, os staffs do lugar apresentam regras de convivência com o público, logística de agendamento e atendimento do departamento educativo, demanda de mediadores, visitas aos espaços adequados para jogos e pernoite, visitas às exposições com mediadores, regras de conduta na Unidade de Conservação e atividades em algumas trilhas.

Já o conteúdo especificamente escoteiro aborda protocolos para agendamento de atividades, além de regras de utilização para Unidades Escoteiras Locais e o projeto Ética e Mínimo Impacto em Atividades Escoteiras.

Segundo Júlio, o Parque CienTec é um equipamento da USP aberto ao público para cumprir uma missão específica estabelecida na sua criação: “promover o reconhecimento, a valorização e a preservação do patrimônio cultural científico da Universidade de São Paulo, por meio da articulação entre sociedade, cultura, ciência e tecnologia, garantindo acessibilidade e sustentabilidade ambiental.” O parque atende escolas agendadas, pesquisadores e visitantes em geral.

Em 2015, os Escoteiros do Brasil – Região de São Paulo conseguiram autorização da diretoria e do Conselho Deliberativo do parque, por intermédio de Júlio, para realizar atividades escoteiras no local. “A realização de um curso de capacitação para o credenciamento de voluntários junto à direção do parque tem por objetivo conhecer e provocar uma reflexão abrangente sobre como aproveitar os espaços para desenvolver partes do programa educativo escoteiro sem descaracterizar a missão da instituição que nos acolhe”, explica o dirigente.

Dessa forma, a cada capacitação uma parceria é criada entre o cursante e o parque, gerando impactos positivos para ambos. No CienTec, os escoteiros ganham visibilidade do público externo e dos próprios funcionários do local. Escotistas e dirigentes que participam da capacitação podem levar suas unidades escoteiras locais para realizar acampamentos, acantonamentos ou atividades temáticas utilizando a estrutura e o pano de fundo da ciência e da tecnologia, ou até mesmo promover um curso escoteiro.

Recomenda-se que os participantes das capacitações sejam escotistas ou dirigentes com autonomia para marcar essas atividades e se responsabilizarem durante a realização das mesmas. “Caso o voluntário seja um educador nas áreas de ciência e tecnologia, ou educação ambiental, ele terá melhores condições de adaptar os espaços do parque para aplicar o método escoteiro”, incentiva Júlio.

Veja a galeria de fotos das capacitações desde 2015:

Compartilhe
Escoteiros do Brasil - Educação e lazer para crianças e jovens