Prêmio Walter Dohme 2017 valoriza trabalho voluntário e apoio ao escotismo

9 de agosto de 2017

Criado para ser um ícone de reconhecimento, o Prêmio Walter Dohme é destinado aos voluntários que realizam um trabalho de excelência junto aos jovens dentro de sua UEL (Unidade Escoteira Local). E também destaca instituições parceiras que apoiam e contribuem para o crescimento e fortalecimento do movimento escoteiro.

O Prêmio Walter Dohme chega em sua segunda versão e todos os participantes são indicados pelas UELs nas categorias de Escotista de destaque nos ramos Lobinho, Escoteiro, Sênior e Pioneiro; de Dirigente e Instituições Parceiras.

Na categoria de instituição parceira, as duas concorrentes foram: a Associação Cruz Azul de São Paulo, indicada, em conjunto, pelos G.E.s (Grupos Escoteiros) Cruz Azul 96/SP e Cruz Azul de Campinas 92/SP, e a Secretaria Municipal de Educação de Guarujá, indicada pelo G.E. Lobo Guará 331/SP, da mesma cidade.

A Associação Cruz Azul  foi criada em 1925 quando a Comissão da Damas de SP sentiram a necessidade de amparar os órfãos e viúvas dos soldados. A entidade possui 11 colégios, sendo que três abrigam grupos escoteiros.

A Secretaria Municipal de Educação (Seduc) do Guarujá possui 89 unidades de ensino, de creche ao fundamental, com 35 mil alunos. Em 2015, a Lei municipal nº 4238/ 2015 instituiu o projeto escotismo nas escolas e regulamentou pelo Decreto nº 11.545/ 2015. A Secretaria reforçou a parceria com o movimento por meio da Carta de Apoio ao Escotismo em junho último.

A instituição ganhadora do Prêmio Walter Dohme nesta categoria foi a Secretaria de Educação do Guarujá. “A Seduc apoia o escotismo justamente por compartilhar o mesmo que está no coração de cada um: a paixão pela educação e os valores que queremos ensinar aos jovens”, comenta Marília Calazans ao receber o troféu com o personagem Alertino, de Walter Dohme. “O apoio que damos é pouco pelo trabalho (feito) por vocês”, completa. Marcelo Simões, da Cruz Azul de Campinas, recebeu o Elogio Regional pela entidade.

congresso-escoteiro_jeff-196
Marília Calazans – Representando a Secretaria de Educação do Guarujá recebe o Prêmio Walter Dohme do Diretor Financeiro da Região de São Paulo Roberlei Beneduzi

Na categoria Dirigente, foram três finalistas excepcionalmente: Adriane Regina Bravo Mendes (G.E. Guaianazes 68/SP), Erenita dos Santos Ferreira Lima (G.E. Guayporé 186/SP) e Mara Selma Dovigo Chiorato (G.E. Rio das Cobras 181/SP). Adriane conheceu o movimento escoteiro quando seus filhos entraram para o Guaianazes, há três anos. Hoje é diretora administrativa. Erenita tem 31 anos de escotismo e participou, com o marido dela, na fundação do Guayporé. Mara entrou no grupo Rio das Cobras, em 2009, e trouxe estabilidade financeira a UEL há dois anos.

A ganhadora na categoria Dirigente foi Erenita. “Primeiro quero agradecer a todos vocês e a Deus. Gostaria muito que meu marido estivesse aqui, mas ele está fazendo um trabalho voluntário, como todos sabem. Agradeço o Grupo Escoteiro Guayporé pela confiança”, comentou Erenita após receber o prêmio. Muito emocionada afirma: “fui picada pelo bichinho do escotismo”. Adriane e Mara receberam o Elogio Regional.

congresso-escoteiro_jeff-204

Erenita dos Santos Lima recebe  prêmio das mãos de Jabs Costa- presidente regional dos Escoteiros do Brasil – Região de São Paulo

Mara Selma (no lado esquerdo) e Adriane Regina (no lado direito) recebem Elogio Regional

 

Na categoria escotista do Ramo Lobinho, os finalistas foram Malcom Roberts Ribeiro (G.E. Rio das Cobras 181/SP) e Sergio Ricardo de Paula (G.E. Cruz Azul de Campinas 92/SP). Malcom tem o dom de unir ideias inovadoras com o tradicional, o que tem aguçado a curiosidade das crianças. Sergio colaborou na fundação da UEL Cruz Azul e é Akelá, contribuindo da melhor forma possível para a formação dos jovens.

O escotista vencedor na categoria Ramo Lobinho foi Sergio. “Agradeço a todos que votaram em mim; a minha família e a minha família escoteira G.E. Cruz Azul de Campinas; à minha filha e minha esposa que sempre apoiam; aos chefes assistentes e aos lobinhos que são a fonte inspiradora para que a gente consiga sempre fazer o melhor possível”. Malcom recebeu o Elogio Regional.

congresso-escoteiro_jeff-212

Sérgio recebe prêmio da Diretora Administrativa da Região de São Paulo Larissa Avari 

congresso-escoteiro_jeff-214

Malcom recebe Elogio Regional

Na categoria escotista do Ramo Escoteiro, os finalistas foram Elidio Aparecido Silva Parreira (G.E. Cruz Azul de Campinas 92/SP) e Luiz Carlos Parolin (G.E. Arara Azul 178/SP). Elidio está há quatro no movimento escoteiro com sua família e trabalha contra a evasão de jovens. Luiz entrou no escotismo em 1968, quando foi lobinho do extinto G.E. Anhanguera, e voltou para o G.E. Arara Azul em 1993 com toda a família.

O vencedor na categoria escotista Ramo Escoteiro foi Elidio, que fez uma série de agradecimentos. “Primeiramente agradeço a Deus, a minha família, a chefia e minha família escoteira”, afirmou. “Não tenho palavras. Aproveito para (agradecer) aos parceiros da comissão de ética (regional) que muitos me ensinam”. Luiz Parolin recebeu o Elogio Regional pelo trabalho realizado junto à sua tropa escoteira.

congresso-escoteiro_jeff-215

Elidio recebe premio entregue de Alexandre Banchi, vice presidente regional dos Escoteiros do Brasil 

congresso-escoteiro_jeff-217

Luiz Parolin recebeu o Elogio Regional

Na categoria escotista Ramo Sênior, os finalistas foram André Luís Bispo Oliveira (G.E. Cruz Azul de Campinas 92/SP) e Murillo Preto Cardozo Junior (G.E. Cavaleiros da Paz 22/SP). André está no movimento escoteiro há quatro anos, desde a abertura da UEL Cruz Azul no colégio. Murillo foi membro juvenil e reconhece o valor do movimento em sua vida pessoal, transmitindo esses ideais aos jovens.

O vencedor na categoria escotista Ramo Sênior é Murillo, da cidade de Socorro. O escotista não conseguiu chegar a Fecap, local do evento, e foi representado por um escotista do grupo dele que ressaltou a importância do trabalho do chefe Murillo junto aos jovens: “Murillo é digno desse prêmio”. Ainda complementou dizendo que Murillo utilizou a teoria do método escoteiro para o trabalho acadêmico de pós-graduação. O representante de André recebeu o Elogio Regional.

congresso-escoteiro_jeff-218

Representante de Murillo Preto recebe prêmio

congresso-escoteiro_jeff-219

Representante de André recebe o Elogio Regional

 

Na categoria escotista do Ramo Pioneiro, os finalistas foram José Bernardo Direito Netto (G.E. Lobo Guará 331/SP) e Juliano José Ribeiro (G.E. Guaianazes 68/SP). José foi membro juvenil e hoje atua como Mestre Pioneiro e diretor técnico, além de contribuir na esfera distrital. Juliano entrou no movimento como pai voluntário, em 2016, e foi se envolvendo até virar Assistente de Pioneiro no início deste ano.

O vencedor da categoria escotista do Ramo Pioneiro foi Juliano. “Com muita honra que recebo esse prêmio, apesar da pouca experiência. Tudo começa pela base e tem duas pessoas que são importantes: a Bia Reali, que é mestre pioneira e me ensina; e à Adriane, que trabalha no Flor de Lis, onde tudo começa”, relatou. “Esse prêmio é para elas também”, dedicou Juliano. José recebeu o Elogio Regional.

congresso-escoteiro_jeff-220

Juliano recebe prêmio

congresso-escoteiro_jeff-224

José recebeu o Elogio Regional

 

Bia Reali, diretora de programa educativo dos Escoteiros do Brasil – Região São Paulo, se absteve de integrar a Comissão Julgadora, responsável pelo processo de escolha dos vencedores, uma vez que havia concorrentes de seu grupo escoteiro.

Alexandre Banchi, vice-presidente dos Escoteiros do Brasil – Região São Paulo, encerrou a cerimônia de entrega do Prêmio Walter Dohme ressaltando o escotista que leva o nome da premiação. “É uma honra a Região de São Paulo entregar o Prêmio com o nome Walter Dohme”, disse. “É também importante o reconhecimento da Região para com o trabalho de base, seja na alcateia, nas tropas ou no clã”. Banchi parabeniza e convida a todos a participarem da 3ª edição do Prêmio Walter Dohme.

A íntegra da entrega do 2º Prêmio Walter Dohme está disponível em vídeo e saiba como foi o 1º Prêmio Walter Dohme.

 

Quem foi Walter Dohme

Nascido em 1951, Walter foi membro juvenil, escotista, dirigente e formador. Foi Insígnia da Madeira e diretor de diversos cursos de formação nos níveis regional e nacional. Sempre foi visto como um exemplo de adulto para seus jovens, não só pela sua prática escoteira, mas também por suas ideias inovadoras. Atuante no G.E. Parecis 10/SP, chefe Walter Dohme seguiu para o Grande Acampamento em 2015 e deixou um grande legado dentro e fora do escotismo. Sua esposa, Vânia, e as filhas Samantha e Vanessa, também são escoteiras.
O personagem “Alertino” é que dá vida ao troféu e foi criada pelo chefe Walter Dohme. Assista a homenagem feita por amigos a Dohme nesse vídeo.

Fotos: Jefferson Tomé

Compartilhe
Escoteiros do Brasil - Educação e lazer para crianças e jovens